Entenda o que as maiores empresas de Santa Catarina têm em comum

Tempo de leitura: 6 minutos

A revista Amanhã e a PwC Brasil divulgam, anualmente, o 500 MAIORES DO SUL – que é um ranking que apresenta as maiores e mais eficientes companhias da região, analisando os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Os resultados são obtidos através de um método de avaliação que leva em conta diversos aspectos das empresas estudadas – todos eles retirados diretamente dos balanços financeiros e demonstrações contábeis das organizações.

Para fazer as comparações entre as empresas listadas, faz-se o uso de fórmulas e índices: rentabilidade sobre a receita, crescimento da receita e participação de não controladores. Além disso, existem diferenças de acordo com o setor de atividade das empresas, pois algumas utilizam dados diferenciados em seus balanços.

Mas o que define mesmo a ordem de classificação é o Valor Ponderado de Grandeza (VPG) – que resulta da soma ponderada de Patrimônio Líquido (com peso de 50%), Receita Líquida (40%) e Resultado Líquido (lucro/prejuízo), com peso de 10%.

No ranking que analisou o desempenho das empresas da região sul no ano de 2015, o estado de Santa Catarina ganhou espaço, contando com 131 empresas entre as 500 do ranking. Veremos a seguir um pouco mais sobre essas empresas e o que pode levar uma empresa catarinense ao sucesso!

O estado de Santa Catarina em relação aos demais da região sul

A análise das informações apresentadas no ranking 500 MAIORES DO SUL permitem uma série de conclusões. Vamos ver um pouco mais sobre o desempenho das empresas de Santa Catarina ao longo dos últimos anos!

Crescimento das empresas no ranking

O estado de Santa Catarina está em constante crescimento nos últimos anos. Em 2013, eram apenas 116 empresas entre as 500 do ranking. Esse número subiu para 126 em 2014 e chegou em 131 no de 2015.

Neste ano, o estado do Rio Grande do Sul conta com 188 representantes – 14 a menos do que no ano anterior. Já os paranaenses perderam uma organização e ficaram com 181 representantes.

Ou seja, apesar de ainda estar em menor número em relação aos demais estados da região sul, o estado de Santa Catarina foi o único que apresentou um aumento no número de empresas presentes entre as 500 maiores do sul.

O fator rentabilidade

Apesar de possuir menos empresas no ranking, o estado de Santa Catarina lidera no desempenho. As empresas catarinenses são as mais rentáveis quando comparadas aos demais estados. Além disso, elas apresentaram o segundo maior volume de lucros e o menor prejuízo.

Isso tudo indica que a tendência é que essas empresas continuem crescendo nos próximos anos – e que várias outras surjam no ranking por conta do bom momento que vivem as empresas catarinenses.

Principais setores

O Grupo Gerdau, que é do Rio Grande do Sul e atua no setor de Siderurgia e Mineração, está mais uma vez no topo da lista. Na segunda e terceira colocação estão duas empresas catarinenses do setor de Alimentos e Bebidas:  BRF Brasil Foods e Bunge Alimentos.

Porém não são esses os setores que lideram o número de presenças no ranking. Confira só os setores que mais marcaram presença entre as 500 maiores empresas da região sul:

  • Comércio – Atacado e Varejo: 55
  • Energia: 48
  • Alimentos: 36
  • Construção e imobiliário: 36
  • Financeiro: 33
  • Transporte e logística: 25
  • Cooperativa de produção: 23
  • Serviços públicos: 22
  • Metalurgia: 21
  • Química: 21
  • Saúde: 19
  • Educação: 16
  • Máquina e Equipamentos: 15

As empresas emergentes

Entre as empresas emergentes – aquelas ocupariam entre a posição 501 e 1000 do ranking – as catarinenses também estão em menor número: 121 empresas, enquanto os gaúchos contam com 200 e os paranaenses com 179.

As empresas de Santa Catarina

Entre as 100 maiores empresas catarinenses, as duas primeiras colocadas mantiveram a sua colocação do ano anterior: BRF Brasil Foods e Bunge Alimentos, ambas do setor de Alimentação e Bebidas. O restante das primeiras colocadas foi composto por:

  1. BRF Brasil Foods – Alimentos e Bebidas
  2. Bunge Alimentos    – Alimentos e Bebidas
  3. Grupo Weg – Máquinas e Equipamentos
  4. Engie Brasil Energia (ex-Tractebel Energia) – Energia
  5. Celesc e Controladas – Energia
  6. Coopercentral Aurora – Cooperativa de Produção
  7. Eletrosul – Energia
  8. Tupy S/A e Controladas – Metalurgia
  9. Grupo Tigre – Material de Construção
  10. Cia. Hering – Têxtil e Confecções
  11. Casan Cia. Cat. Águas e San. – Serviços Públicos
  12. Chapecoense Geração S/A – Energia
  13. H Carlos Schneider S/A (Controladora Ciser) – Metalurgia
  14. Enercan Camp. Novos Energ. S/A – Energia
  15. Giassi Adm. de Bens S/A – Comércio – Atacado e Varejo

Nota-se que, entre as primeiras colocadas, o setor de energia se destaca com 5 empresas. Isso se mantém ao longo do ranking, que conta com 13 empresas desse setor. Além dele, se destacam os setores de Transporte e Logística (8), Comércio (7), Alimentos e Bebidas (6) e Construção e Imobiliário (6).

No ano de 2015, o VPG das empresas catarinenses somou R$ 94,2 bilhões, uma alta de 4,4% em relação ao ano anterior. As gaúchas lideram o indicador com R$ 131,8 bilhões enquanto as paranaenses possuem R$ 122,3 bilhões.

Em relação aos lucros, as empresas catarinenses auferiram R$ 10,6 bilhões, ficando na frente das companhias gaúchas (R$ 8,8 bilhões), e atrás das paranaenses (R$ 16,9 bilhões). Enquanto isso, a soma de patrimônios das empresas de Santa Catarina foi de 72,1 bilhões e as receitas líquidas chegaram a R$ 143,1 bilhões.

Das empresas do ranking, 18 são novatas. Entre elas está a construtora FG Empreendimentos, de Balneário Camboriú, famosa pelos edifícios de muitos andares e com apartamentos luxuosos. Ela não estava presente no ranking de 2014 e apareceu na 167ª posição neste ano com ótimos números: as vendas da empresa cresceram 35% e as operações de 2015 encerraram com R$ 1,4 bilhão em estoque disponível para venda, conforme balanço.

Qual é o fator do sucesso?

De acordo com Cáren Macohin, sócia da PwC Brasil, o resultado das empresas de Santa Catarina se deve às decisões que estas tiveram que tomar devido ao cenário de crise. Em busca de uma maior eficiência, as companhias tiveram de reduzir custos de modo a se adequarem ao cenário atual. Com isso, no momento que se consegue maior rentabilidade, obtém-se também maior lucratividade.

Independentemente do setor de atuação e do porte da empresa, é importante manter o foco nos resultados. E é isso que as maiores empresas de Santa Catarina têm em comum. Reduzir custos e otimizar as receitas são o caminho para qualquer organização atingir o topo e conseguir manter-se lá.

O momento atual para as empresas de Santa Catarina é muito bom e propício para o desenvolvimento do empreendedorismo. Apesar dos impactos da crise, é possível crescer e atingir ótimos resultados para figurar entre as 500 maiores do sul nos próximos anos.

O que você achou das informações apresentadas sobre as maiores empresas de Santa Catarina? Você acha que a sua empresa tem o que é preciso para chegar lá? Deixe o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *